Publicidade

Notícias

Dra. Mayra fala sobre combate à violência contra mulher em entrevista da Verdinha com candidatos ao Senado; ouça

A filiada ao PSDB foi a terceira convidada do especial

Por: Carolina Melo às 17:57 de 20/09/2018

Foto: Mardônio Andrade

Foto: Mardônio Andrade

Foi ao ar, nesta quinta-feira (20), no programa do Paulo Oliveira, mais uma entrevista com os candidatos pelo Ceará ao Senado Federal. Dra Mayra, do Partido Social Democracia Brasileira (PSDB) teve como principais propostas medidas de combate à violência contra a mulher.

LEIA MAIS: Em primeira disputa a cargo político, Eduardo Girão apresenta propostas em série de entrevistas da Verdinha; ouça

A pediatra afirma que sua campanha é direcionada para três áreas em particular, “saúde, educação e geração de empregos”, entretanto a concorrente ao Legislativo acredita que a primeira seja a que mais necessita de atenção no Estado.

LEIA MAIS: Eunício Oliveira é primeiro convidado da série de entrevistas da Verdinha com candidatos ao Senado; ouça

“O nosso principal desafio hoje é melhorar e requalificar o Programa de Saúde da Família. É a porta de entrada do Sistema Único de Saúde, é nele que a gente faz a prevenção e promoção das doenças. Hoje, o estado do Ceará não consegue atingir toda a população. Nosso desejo é no Senado lutar para que o programa atinja 100% das famílias, que as pessoas voltem a ser visitadas nas suas casas”, explica Dra. Mayra, que complementa dizendo que focar no acesso à saúde primária seria a solução para diminuir a superlotação de grandes hospitais cearenses.

Na entrevista, a candidata ainda fala sobre a crescente violência contra a mulher presente no Ceará e relembra o caso em que teve fotos íntimas furtadas e expostas na internet, em 2015. Segundo a médica, as imagens estariam sendo usadas novamente contra ela após ter anunciado a candidatura ao Senado Federal.

“Nós tivemos um número de mais 5 mil homicídios em 2017 e a situação da mulher dentro desse grupo da violência é muito grave. Nos primeiros seis meses de 2018, cerca de 229 mulheres foram assassinadas. Mulheres que ao expressarem a sua vontade, ao quererem ser protagonistas da sua própria história, sofrem tentativas de ultraje e violência e eu estou incluída nesse grupo. Sou solidária às mulheres que já passaram por esse tipo de violência digital que sofro agora ”.

Para combater esses números, a postulante ao Senado Federal pretende formular, caso eleita, um Projeto de Lei (PL) que crie uma lista com nomes de pessoas julgadas por crimes de violência contra a mulher. O documento seria disponibilizada à sociedade e, segundo a candidata, auxiliaria possíveis vítimas a não se “exporem” aos condenados.

Ouça a entrevista completa:

Comentar

Identificação

Se estiver com pressa, conecte-se a uma dessas redes para preencher seu cadastro.


Comentários(0)