Publicidade

Notícias

General Theophilo afirma que tornará Ceará “desenvolvido e com progresso” se eleito; ouça

Por: verdinha às 11:52 de 13/09/2018

Foto: Natinho Rodrigues

Foto: Natinho Rodrigues

O general da reserva do Exército, Guilherme Theophilo, do Partido Social Democracia Brasileira (PSDB), é o terceiro entrevistado da série exibida pelo programa Paulo Oliveira com os candidatos ao Governo do Ceará. Nesta quinta-feira (13), o militar expôs os principais pontos da campanha, que tem como foco o interior cearense.

LEIA MAIS: Camilo Santana inicia série de entrevistas da Verdinha com candidatos ao Governo do Estado; ouça

Na conversa com a jornalista Danielly Portela, o postulante ao cargo de chefe do Executivo estadual conta que seu principal objetivo é tornar o Ceará “desenvolvido e com progresso”. Para realizar esse feito, Guilherme Theophilo explica que, caso seja eleito, dará a mesma atenção para os 184 municípios nas diferentes esferas do poder público.

LEIA MAIS: Candidato Aílton Lopes apresenta propostas em série de entrevistas da Verdinha; ouça

Para a saúde, o general aposta no investimento em políticas primárias nos hospitais municipais do Ceará para acabar com o número excessivo de pacientes na rede de saúde da Capital. “Se a atenção primária não está sendo bem feita, qualquer doença simples ajuda a superlotar os hospitais de Fortaleza, que são responsáveis pela atenção secundária e terciária. Então, a proposta é garantir a filtragem natural, que é responsabilidade dos municípios, através das UPAs, policlínicas, postos de saúde e principalmente por meio do agente de saúde”, explica.

Segurança

Com relação ao combate o tráfico de drogas no Estado, Theophilo afirma que é possível controlar o problema sem a ajuda do Governo Federal ou do Exército, apenas com o trabalho dos “órgãos de segurança pública”.

Para isso, o candidato do PSDB propõe um modelo baseado em três pontos para solucionar o que classifica como “alimento do crime”. “Usando basicamente o tripé da segurança pública, que ‘chama-se’ inteligência, tecnologia e fiscalização. Não existe país no mundo que vá querer reduzir o consumo de droga se não tiver fiscalização”, diz.

Ouça a entrevista completa:

Comentar

Identificação

Se estiver com pressa, conecte-se a uma dessas redes para preencher seu cadastro.


Comentários(0)