Publicidade

Entretenimento

Estilo de vida que Belchior escolheu intriga amigos e fãs, que torcem pelo retorno do músico cearense

Distante dos palcos e dos amigos há mais de 5 anos, músico cearense deixa saudades. Estilo de vida adotado pelo artista divide opiniões de quem o conhecia

Por: verdinha às 11:25 de 29/04/2014

Foto: Gustavo Pellizzon/ Layout: Mardônio Andrade

Foto: Gustavo Pellizzon/ Layout: Mardônio Andrade

Se Belchior escreveu a música “A Palo Seco” no passado para descrever o futuro, acertou em cheio. A canção, que inicia com “Se você vier me perguntar por onde andei, no tempo em que você sonhava…”, poderia ser, já naquela época, um prenúncio da pergunta mais feita por amigos, fãs e familiares. Onde está Belchior? “Amigo, eu me desesperava”, responde o cantor na música.

Se há, de fato, esse desespero, não se sabe. Entretanto, pode-se dizer que a inquietação que Belchior apresentava nas letras das canções faz todo sentido após o desaparecimento dele. “Sumido” há pelo menos 5 anos, Belchior, que se interessava mais em amar e mudar as coisas, deixou para trás não só a família, irmãos e 4 filhos, mas também amigos, fãs, uma carreira musical consolidada e uma vida considerada “normal” para a maioria das pessoas. Ficou apenas o mistério.

A Redação Web da Rádio Verdes Mares entrou em contato com pessoas que fizeram parte da vida do músico, pelo menos até antes de ele desaparecer, para tentar entender os motivos que levaram Belchior a se afastar de tudo e de todos.

“Belchior era capaz de dar uma virada na vida”

Quando o artista plástico Sérgio Pinheiro possuía uma galeria de arte no Centro Cultural Dragão do Mar, em Fortaleza, Belchior sempre aparecia no local para visitar o amigo, que conta fazer mais de 5 anos que não o reencontra. “Ele ia sempre lá, conversar. É um grande colecionador do meu trabalho e sempre comprava alguma peça”, afirma.

O amigo diz logo não saber o que está acontecendo com o cantor atualmente, mas afirma não achar nada estranho. “O que está acontecendo agora, eu não sei de absolutamente nada. Essa decisão dele pegou todo mundo de surpresa, mas eu não acho estranho. Ele era muito especial. Podia muito bem querer ter essa vida de não mais cantar e de não ter gente atrás dele. Ele era capaz de dar uma virada na vida.”, comenta.

O também artista plástico, Tota, lembra que Belchior é um homem culto e que tem uma paixão pela música e pelo mundo das artes. “Ele sempre ajudava as pessoas. Comprava muitos trabalhos de artistas cearenses, gostava de ajudar. Não era interesseiro de ter a música só pelo lado da grana. Fazia muitos shows beneficentes e, por isso, eu o admiro muito”, conta. Belchior não é apenas um cantor. O sobralense também é pintor, poeta, desenhista e um amante das artes plásticas.

Ouça trecho da música “Alucinação”:

É necessário ter a última versão do Adobe Flash Player para a visualização desse player.

Tota explica ainda que as pessoas precisam respeitar o momento de isolamento de Belchior. “Ele está passando por um momento difícil, mas a gente não deve se meter muito, porque foi ele quem escolheu”, afirma o artista, que era sócio e amigo de Belchior. Os dois possuíam uma galeria no Centro Cultural Dragão do Mar e uma produtora musical. “10 anos convivendo juntos, fizemos também uma galeria em Sobral, que era uma dos lugares que ele mais gostava”, complementa.

Cantor foi procurado para fazer show no Réveillon por R$ 300 mil

Tota diz que recebe ligações com bastante frequência de pessoas interessadas em agendar shows do músico cearense. “Tem muita gente atrás. No Réveillon, eu tive três pessoas colocando R$ 300 mil para um show dele”, revela. O ex-sócio garante que conseguiria agendar diversas apresentações, se Belchior voltasse. “Se ele me ligasse e dissesse que está disponível para shows, eu assino em baixo e garanto, pelo menos, 60 shows”.

A procura por Belchior também é comentada pelo produtor Jackson Martins, que trabalhou com o músico cearense durante 14 anos. “O mercado ainda está aberto para ele. Todo dia ligam para o meu escritório pedindo para agendar shows com ele”.

O produtor diz também que há gente interessada em ajudar Belchior em todos os aspectos. “Ele está precisando de ajuda, mas não sei que tipo de ajuda. Estamos dispostos a ajudá-lo, seja financeira ou psicologicamente. Tenho um grupo de amigos, parceiros e colegas que já manisfestou vontade de ajudá-lo”, explica.

Belchior fez uma participação no show de Tom Zé em março de 2009. Foi uma das últimas aparições públicas do cearense. Assista:

Imagem de Amostra do You Tube

Tota comenta que respeita o momento de Belchior e, por isso, não o procura. “Continuo sendo amigo dele, torço por ele. Mas vou ser muito sincero: eu não vou atrás de uma pessoa que não está querendo ajuda. Quando você está com problema e divide com outra pessoa, fica mais fácil de resolver. No caso, ele está fechado. Não procura nenhum amigo. No dia em que ele me ligar e disser o que está precisando, aí sim. Ele está passando por uma fase difícil, que eu acredito que pode ser emocional e pode acontecer com qualquer pessoa. Eu continuo sendo amigo dele e só tenho coisas boas para falar dele, mas tem que respeitar”, diz o artista plástico.

“Não me siga, porque eu não sou novela”

Trecho da música " Apenas um rapaz latino-americano", de Belchior. Layout: Mardônio Andrade

Trecho da música ” Apenas um rapaz latino-americano”, de Belchior. Layout: Mardônio Andrade

Ao comentar o momento por qual passa Belchior, Tota faz questão de relembrar uma frase dita pelo músico quando ele ainda estava viajando pelo Brasil para realizar shows. “Belchior sempre dizia ‘não me siga porque eu não sou novela’”, lembra.

Jackson Martins também acha que, se Belchior quisesse ajuda, teria procurado por ele ou por algum amigo. Apesar disso, o produtor conta que planeja ir a Porto Alegre, onde acha que Belchior esteja. “Eu imagino que ele esteja em Porto Alegre. Eu tenho até um projeto de ir lá procurá-lo para saber se posso fazer alguma coisa. Mas eu acho que se ele quisesse ajuda, ele teria buscado a mim e a outros. O Belchior tem grandes amigos. Vários amigos em comum estão à disposição dele”, revela.

Dívidas atribuídas a Belchior são exageradas, diz amigo

A saga de Belchior estaria longe do fim. A revista Época publicou, em 2013, reportagem afirmando que músico enfrentaria diversos processos judiciais, incluindo as pensões alimentícias que o cantor teria deixado de pagar aos 4 filhos. A matéria também afirmou que o músico teria deixado de pagar diversos hotéis brasileiros onde ficou hospedado com a atual esposa, a produtora cultural Edna Assunção de Araújo. Segundo a revista, Belchior teria passado 2 meses no hotel Gran Marquise, localizado na orla marítima de Fortaleza, e deixado uma dívida de cerca de R$ 8 mil. O Fantástico, programa da Rede Globo, também exibiu em 2009 reportagem citando várias despesas do cantor, que estaria passando um tempo no Uruguai.

Foto: Daniel Ronan/ Diário do Nordeste

Foto: Daniel Ronan/ Diário do Nordeste

Procurado pela Redação Web da Rádio Verdes Mares, o Gran Marquise não confirmou a dívida e disse ainda que o hotel não costuma divulgar detalhes da estadia de clientes. Para Tota, as dívidas atribuídas ao amigo são exageradas. Belchior estaria, segundo ele, sofrendo uma perseguição da imprensa. “80% do que estão falando do Belchior é mentira. Ele está sendo vítima de uma perseguição de um sistema de mídia. Ele sempre teve as próprias ideias e é uma figura que não se deixa levar por qualquer coisa”, explica.

O artista plástico diz ainda que uma das mães retirou da justiça o processo de pensão alimentícia. “Não é tudo isso que estão falando, tem uma das mães que já fez foi tirar o processo. Foi ao Fórum e retirou. É só uma pensão que está atrasada, o resto é tudo fofoca”, comenta Tota.

Sobre as acusações de que a atual companheira de Belchior, Edna Assunção, estaria fazendo mal ao cantor, o produtor Jackson conta que não tinha muita intimidade com a companheiro do amigo. “Eu não tive nenhuma relação próxima com ela. Eu não posso dizer se ela faz bem ou faz mal. Mas eu sei que os parceiros são para somar. Será que os dois saíram do centro, da capacidade analítica, da nitidez? ”, questiona Jackson.

Músico pretendia traduzir sua obra para o espanhol

Trecho da música "Como nossos pais", de Belchior. Layout: Mardônio Andrade

Trecho da música “Como nossos pais”, de Belchior. Layout: Mardônio Andrade

Ele lembra que falou com ela quando Belchior decidiu parar de fazer shows. “Falei com o Belchior pela última vez em Colatina, no Espírito Santo. Fizemos um show lá, foi o encerramento de um festival. Ele me disse que não era mais para eu agendar shows para ele porque ele ia traduzir a Divina Comédia [livro da literatura italiana, escrito por Dante Alighieri no século XIV]. Ia ficar recluso para traduzir o livro do clássico para o popular. Depois disso, a Edna me ligou justamente para confirmar o que ele já havia me dito. Ela falou: “A única pessoa que o Belchior pediu para ligar foi para você. Quando ele voltar a trabalhar para fazer shows, ele te liga’”, afirma. Jackson também disse que Belchior falou que ia traduzir a obra musical dele do português para o espanhol. “Ele queria que a obra ficasse disponível no mercado latino-americano”, comenta.

Já Tota preferiu não se manifestar em relação à atual companheira de Belchior, mas lembra de uma ocasião em que ele achava que ela o tinha influenciado. “Eu ligava para ele e dizia: Belchior, tem gente com dinheiro na liga para uns shows. E ele dizia: ‘É mesmo, Totinha? Legal. Pois eu te ligo já’. E depois me ligava, dizendo que não estava a fim de fazer show. O que é que eu podia fazer? Continuei sendo amigo dele, torço por ele e acho que um dia ele voltará”, conta.

Cartunista se encontra com Belchior e posta foto em rede social

Foto: Arquivo Pessoal

Carlos Latuff e Belchior. Foto: Arquivo Pessoal

Em abril deste ano, o cartunista Carlos Latuff postou uma foto com Belchior no Facebook. A imagem mostra o cantor, com o mesmo bigode característico, segurando um desenho feito por Latuff, no qual o sobralense está dentro de uma aeronave. A imagem faz clara referência à música “Medo de Avião”.

Procurado pela Rádio Verdes Mares, o cartunista, que é envolvido em causas sociais, explicou que não pode dar detalhes do encontro, mas autorizou a utilização da foto com o ídolo nesta reportagem. Pode-se deduzir, no entanto, que o encontro aconteceu em meados de 2013, isso por causa da data do desenho feito por Latuff. “Para Belchior, com meu respeito e admiração. Latuff, 2013”, diz a assinatura da imagem.

Belchior não teria contato nem com a família

Além de estar afastado do palco e dos amigos, o músico estaria, há muito tempo, longe de casa e sem contato também com a família. A mãe do cantor, Dona Dolores, faleceu em 2011 e, de acordo com apurações da reportagem, o músico não compareceu ao sepultamento.

A Redação Web da Rádio Verdes Mares procurou familiares de Belchior, tanto em Sobral, como em Fortaleza, para saber notícias do músico. Educadamente, os parentes explicaram que preferem não se manifestar “em respeito ao momento de reclusão de Belchior”.

Ouça trecho da música “Apenas um rapaz latino-americano”:

É necessário ter a última versão do Adobe Flash Player para a visualização desse player.

Tota garante que o músico tinha um relação muito boa com a mãe. “Duas coisas que ele adorava na vida. Era a mãe e Sobral. Ele chegava de viagem e saía do aeroporto 3h da manhã direto para Sobral”. Com tom de saudade, o amigo e artista plástico lembra com carinho alguns hábitos de Belchior. “Tinha alto astral, era tudo de bom. Lembro que nos shows ele gostava de limpar o bigode e tomar conhaque ou whisky”.

Jackson também diz que o músico era bastante satisfeito com o trabalho de cantor e trabalhava para manter os filhos no exterior. “Sempre foi uma pessoa envolvida com a questão intelectual, lia muito e trabalhava muito. A gente costumava fazer cerca de 22 shows por mês. É um cara culto que trabalhou duramente para educar os filhos. Todo ano tinha que manter os dois filhos na Inglaterra, que estudavam lá”, garante. Belchior teve 2 filhos com a ex-esposa, Ângela, e mais 2 com outras duas mulheres diferentes.

Foto: Fernanda Oliveira/ Diário do Nordeste

Foto: Fernanda Oliveira/ Diário do Nordeste

Belchior morava em Sobral, veio para Fortaleza, com vontade de conhecer o mar. Estudou no Liceu e passou a cursar Medicina na Universidade Federal do Ceará (UFC). O curso ficou pelo caminho, já que o sobralense desistiu da faculdade para seguir carreira de músico e começou a participar de festivais e shows pelo Nordeste.

“Teve a explosão do Pessoal do Ceará também. Eles arregaçaram a camisa e deram conta do recado. Mas aqui no Ceará era muito fechado o circuito, era muito trancado, mas eles foram lá e provaram que são bons músicos e compositores”, relembra Tota.

A paixão pela música e a vontade de falar da terra e do mundo aproximaram diversos talentos do Estado, como o próprio Belchior, Fagner, Fausto Nilo, Amelinha, Ednardo e outros. O grupo ficaria conhecido, ganharia projeção nacional e a partir daí Belchior teria ainda mais fãs. A ajuda de Elis Regina foi importante para Belchior. Dele, ela regravou “Como nossos pais”, “Velha Roupa Colorida” e “Mucuripe”, esta última uma parceria de Belchior com Fagner. “Mucuripe” também foi regravada por Roberto Carlos, Nelson Gonçalves e Osvaldo Montenegro. Para citar mais alguns, a banda Engenheiros do Hawaii regravou “Alucinação” e Elba Ramalho, “Paralelas”.

CDs de Belchior estão esgotados em lojas de Fortaleza

Os CDs de Belchior estão esgotados nas lojas da Capital, mas alguns sites ainda disponibilizam para encomenda. Os discos estão esgotados até nos sebos de Fortaleza. “Talvez eu tenha um CD apenas. As pessoas procuram muito os CD dele. A questão é que a gente só trabalha com usados e nunca aparece quem queira vender. Como não tem quem nos venda, quando aparece algum cliente para comprar, a gente não tem o que oferecer”, explica a atendente de um sebo localizado na Rua Major Facundo, no Centro da cidade.

Foto: Gustavo Pellizzon

Foto: Gustavo Pellizzon

Além das vozes conhecidas que regravaram Belchior, como Elis Regina e Roberto Carlos, a obra do cearense ganhou mais um capítulo que animou os fãs. As faixas do disco “Alucinação” foram regravadas em uma versão indie. Organizado pelo produtor Jorge Wagner, o disco “Ainda Somos os Mesmos” traz diversas bandas alternativas, do cenário brasileiro, interpretando clássicos de Belchior, como “Velha Roupa Colorida”, “À Palo Seco”, “Fotografia 3×4”, “Não leve Flores” e outras.

Quase 40 anos depois do lançamento do disco, o trabalho comprova que as temáticas presentes nas canções do, na época, rapaz, que acreditava que é preciso rejuvenescer e que andava sem dinheiro no bolso, ainda vivem e são atuais. A novidade também trouxe o EP “Entre o Sonho & o Som”, com canções como “Paralelas” , “Como nossos pais” e “Comentários a respeito de John”. Toda a coletânea está disponível para download gratuitamente no Scream & Yell 2.0.

Realidade e obra de Belchior se misturam

A busca de uma vida mais calma. É o que o artista plástico Sérgio Pinheiro acredita que Belchior esteja procurando. Ele diz que isso era visível nas canções do amigo. “Ele podia muito bem querer outra vida. Essa que ele estava levando, de fazer vários shows por dia e todos os anos… Ele pode muito bem ter cansado. E as músicas dele falam justamente disso. Nas letras das músicas ele fala que não quer saber de nada, de coisa nenhuma, então ele podia estar preparando isso”, enfatiza.

Trecho da música "Velha Roupa Colorida", de Belchior. Layout: Mardônio Andrade

Trecho da música “Velha Roupa Colorida”, de Belchior. Layout: Mardônio Andrade

Sérgio faz questão de ressaltar que o amigo sempre foi de correr atrás do que queria. “Era um batalhador. Eu acho que ele quis mudar. ‘Chega, tchau, fiquem aí vocês, cantando a minha música, que eu vou ali dar uma volta’. E a obra dele está completíssima, ele já fez muita coisa”, conta.

O músico cearense e fã de Belchior, Guilherme Vasconcelos, acredita que as inquietações nas canções têm relação, de alguma forma, com o desaparecimento dele. “Isso foi um dos motivos que me fez gostar da obra dele”. Guilherme cita, inclusive, trechos de “Galos, Noites e Quintais”. “Principalmente quando ele fala: ‘Não sou feliz, mas não sou mudo. Acredito sim que o sumiço veio dessa insatisfação”, comenta.

“Galos, Noites e Quintais” já foi gravada por Amelinha e Jair Rodrigues. Até o cearense e saudoso Chico Anysio cantou a música em um programa de TV, aos olhos atentos de Belchior, que estava na plateia.

O fã explica, inclusive, que possui as mesmas inquietações do sobralense. “Nunca vi um show dele e espero que ele volte a se apresentar. Até porque eu também tenho insatisfações e muita tristeza guardada e só o que me melhora é fazer um som com os amigos”, garante. Mas essa semelhança Belchior já dizia na música Fotografia 3×4 “A minha história é talvez, é talvez igual a tua (…) Eu sou como você”.

O universitário Cristian Pinheiro também espera, um dia, o retorno do músico. “Seria legal e bem interessante se ele voltasse. Tem gente que diz que ele está procurando um lugar mais sossegado. Eu não conheço muito a história dele, conheço o trabalho, mas creio que ele era uma pessoa que não gostava muito de se acomodar. Procurava coisa nova”, afirma.

Foto: Gustavo Pellizzon

Foto: Gustavo Pellizzon

O amigo do cantor, Tota, diz que os fãs não deixam a obra do cantor se perder. “Ele tem letras bonitas. Você percebe que o movimento estudantil adora as músicas, tem até crianças que cantam por influência dos pais”.

Ele também acredita que a realidade de Belchior se mistura nas letras das canções. “As músicas que fazem sucesso até hoje são baseadas nele, como ‘Rapaz Latino Americano, Galo Noites e Quintais e Mucuripe’. É a saída dele de Sobral para a Capital, é a saída de Fortaleza para o Sul. Era o sofrimento dele, era a angústia”, afirma.

Já o produtor Jackson Martins não percebe essa relação. “Eu não vejo isso. Essas músicas foram feitas na adolescência, na juventude do Belchior. Na época em que ele largou o curso de Medicina para tentar viver da música no Rio de Janeiro”, diz.

As obras deixadas por Belchior podem até amenizar a saudade de amigos, fãs e, quem sabe, de familiares; mas prevalece a vontade de ver o músico em plena atividade. O artista plástico Tota não se cansa de esperar pelo amigo. “Eu quero e espero que ele volte e acho que já está perto, até mesmo por causa da idade, ele já tem 67 anos. E acredito também que um dia você vem entrevistá-lo pessoalmente aqui na minha galeria. Eu faço um café para vocês e você poderá fazer todas as perguntas para ele”, acredita o amigo Tota.

Mas, talvez, a vida de Belchior esteja a mil

Afinal, ele já dizia: “Eu prefiro andar sozinho. Deixem que eu decida a minha vida. Não preciso que me digam de que lado nasce o sol, porque bate lá meu coração”.

Ouça trecho da música “Comentários a respeito de John”:

É necessário ter a última versão do Adobe Flash Player para a visualização desse player.

ALINE CONDE
Repórter

Tags:

Comentar

Identificação

Se estiver com pressa, conecte-se a uma dessas redes para preencher seu cadastro.


Comentários(15)

Autor:
Fabricio Mendes 01/03/2015 22:42

Saiam do caminho de Belchior, ele esta pedindo apesar da prisao da fama ,uma oportunidade de decidir o seu mais intimo caminho.Decidam sobre as suas vidas . Um passaro canta por alegria livre!

Autor:
sandro som01/03/2015 09:41

ate que emfim encontrei pessoas onestas nesse pais para trocar ideias; curti a materia sou fa belchior desde menino e acho que ele foi um dos poucos que nao quis se prostituir para esta merda de midia que ao longos do anos escravisa artista do seu nayp, com a regressao cultural do nosso pais que iniciou com sr ministro da cultura gilberto gil que nada fez em prol da classe artistica ,e comcelebridades como chico buarque ,caetano,e outros que so olhao para seus umbigo, chegamos na falencia nao so da musica mas tambem na vergonha na cara. foi o que fez belhior jogar a toalha no ring da cultura midiana brasileira .eu quero tchu,eu quero tcha, eu quero e achar um lugar onde esta merda nao me contamine.belchior forca ,sei que esta compondo grandes obras valeu abraco de grande fa

Autor:
WILSON GREY14/12/2014 23:49

Belchior, um dia vamos nos ver e vou ter a oportunidade de dizer pra ti que DEUS, na sua infinita bondade trouxe vc de volta . Um grande abraço.

Autor:
Francisco Ari Oliveira23/11/2014 18:18

A vida é uma comedia (humana). O que explicará esse sumiço de um artista do nível cultural de Belchior?

Autor:
Artur26/08/2014 11:53

O Belchior, genial vocalista e compositor inspirado é um desses mistérios que só Deus de amor pode compreender e entender.

Autor:
Bruno25/08/2014 11:13

É Cearense... "Eu só deixo o meu cariri, no último pau de arara..." Saudades...

Autor:
Jesus Fonseca08/05/2014 16:34

Sou admirador de Belchior! Li os relatos de sua reclusão ou desaparecimento dos palcos, entretanto, para mim, muito vagos! Eu pergunto: Ele está vivo, mesmo? Alguem mantem contato constante com Ele? Esta é a dúvida de muitos de seus fãs!

Autor:
luiz carlos30/04/2014 17:15

Belchior, meu conterrâneo, mas só o conheci pela primeira vez, quando ele era ainda estudante de medicina e participava de festivais de músicas, juntamente com o Ednardo, Fagner e outros consagrados. Havia também um programa chamado Porque hoje é Sábado, onde costumávamos a nos encontrar, ou seja, Belchior, Fagner, Ednardo e outros, inclusive eu e meu irmão Álvaro. Este, tanto tocava violão muito bem, quanto cantava. Razão por que o Belchior foi até a nossa morada, ali na Rua 24 com Clarindo de Queiroz, em Fortaleza, e convidou meu irmão, Álvaro, para defender sua música no festival da TVCeará. Meu irmão aceitou e tirou o 1º lugar, com a música do Belchior, chamada As Paralelas, que a credito ter sido o Álvaro o primeiro intérprete dessa música. Não há como mentir, é só buscar nos arquivos da TVCeará ou até perguntar ao Augusto Borges, que muitas vezes encerrou o seu programa tendo como atração principal o Álvaro cantando. Há histórias que não se contam e há estórias que são contadas. Volta Belchior vc não tem que provar mais nada!

Autor:
Ornaldo José Lisboa Leite30/04/2014 10:17

Belchior é um monstro sagrado da musica popular brasileira, da musica de qualidade. Um poeta, um visionário que escreveu verdadeiras histórias cantadas, com muita musicalidade e que nos fazem relaxar e viajar no tempo, seja no presente, passado ou futuro. Um mestre da arte que nunca envelhece. Suas letras são muito contemporâneas. Belchior foi o primeiro artista que aprendi a admirar, aprendi a apreciar uma boa musica com a arte de Belchior, tive a hora de ir a vários shows dele e até de conversar com ele e ter um disco autografado em um rápido encontro no centro dragão do mar em Fortaleza-CE em meados de 2003. Admiro muito a sua obra!

Autor:
Leonardo29/04/2014 15:26

Sou fã de Belchior

Autor:
Gabriel29/04/2014 14:46

Legal saber um pouco mais a respeito do artista, já ouvi várias vezes a canção (Mucuripe) nas vozes de Fagner e Roberto Carlos e nã sabia que eram de autoria de Belchior.

Autor:
Leandr Lima29/04/2014 14:28

Não sabia que o Belchior tinha uma história tão interessante na música nacional

Autor:
Adriano29/04/2014 14:26

Adorei

Autor:
Darlison29/04/2014 14:18

No presente, a mente, o corpo é diferente. O Belchior não precisa de 'roupa'.

Autor:
Mariana Ruggeri29/04/2014 14:16

Muito boa a reportagem! ;)