Publicidade

Entretenimento

Vida e obra de carpinteiro cearense são exibidas em documentário no Cineteatro São Luiz em Fortaleza

Por: verdinha às 18:53 de 25/01/2016

botes-bastardos-documentario

Foto: Reprodução/202b

Chico Elias é o protagonista do documentário cearense “Botes Bastardos”, que será exibido na próxima sexta-feira (29), às 12h30, no Cineteatro São Luiz em Fortaleza. O curta, dirigido por Pedro Cela, conta a história de um carpinteiro que constroi botes desde os 17 anos. Hoje, aos 75 anos e já aposentado, seu Chico é um dos mestres em carpintaria mais respeitados de Camocim no Litoral Oeste do Ceará.

O diretor Pedro Cela descreve o porquê de documentar histórias sobre a cultura do Estado. “Ao escutar o que seu Chico Elias tem a nos falar, estaremos tratando de assuntos relevantes da cultura cearense, como o seu saber empírico transmitido de geração a geração pela oralidade e por ‘ver e fazer’, característico do ofício da construção artesanal”.

Confira teaser:

Teaser – Botes Bastardos from 202B on Vimeo.

Pedro teve como parceiro profissional o jovem cineasta Eduardo Cunha, que já teve o trabalhoNegro Lá, Negro Cá” em exibição no cinema.  “Foi o curta que mais tivemos problemas durante as gravações. Primeiro que o Chico Elias não tem telefone celular, nem fixo. Ele também não estava com uma rotina certa durante a semana, então tínhamos que sair a procura dele pela cidade, perguntando a um e a outro. Nesse ponto uma pessoa em especial ajudou bastante, o João, um pescador que mora próximo à praia de Camocim”, detalha Eduardo. O trabalho foi feito em 10 dias, sendo três de viagens ao local.

A dupla de cineastas faz parte do 202b, uma equipe cearense dedicada a desenvolver um trabalho que transita em linguagens como vídeo, fotografia, pintura e desenho. “O 202B tem quatro curtas: Negro Lá, Negro Cá (2014); Becco do Cotovelo (2015); Rosa (2015) e Botes Bastardos (2016). “Dos quatro, três são documentários de curta-metragem e o ‘Rosa’ é uma animação dirigida por Saulo Tiago que também é integrante do coletivo 202B”, completa Eduardo Cunha.

Na sessão de sexta-feira (29), será lançado também outro curta: o “Faixa”, do Coletivo Nigéria. “O filme mostra como as ações protagonizadas por jovens tem o potencial de transformar a cidade. Escolhemos a associação de ciclistas ‘Ciclovida'; ‘Massa Crítica’ que é um movimento anônimo de ações diretas e durante o processo escolhemos filmar ‘As Ciclanas’, um grupo que defende o espaço da mulher na mobilidade e na cidade”,detalha um dos membros do coletivo Roger Pires.

Ficha Técnica:

Ano: 2016
Direção: Pedro Cela
Fotografia: Eduardo Cunha e Pedro Cela
Som: Eduardo Cunha
Edição e montagem: Pedro Cela e Eduardo Cunha

Comentar

Identificação

Se estiver com pressa, conecte-se a uma dessas redes para preencher seu cadastro.


Comentários(0)